Uma Igreja para você e sua família.

Venha fazer-nos uma visita.

Voocê é muito bem-vindo!

Culto, todos os domingos, às 19horas.

Mensagens de esperança e encorajamento.

Uma palavra de esperança para os momentos mais difíceis da vida.

Nenhum relacionamento sobrevive sem investimento.

Dia 15/06, sábado, às 19h, no cerimonial Castelinho - Bairro República. Investimento: R$ 90,00 (casal) - Informações: 9619-7838.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Seminário de Louvor e Adoração

cartaz seminario musica

 A Igreja Presbiteriana em Tabuazeiro, em Vitória, no Espírito Santo, realiza nos dias 4, 5 e 6 de novembro de 2011 o Seminário de Louvor e Adoração, com o tema “Para Louvor de Sua Glória”.

O seminário contará com a participação de músicos cristãos que são referência na região, com oficinas que abordarão questões práticas de instrumento e canto.

As vagas são limitadas e as inscrições podem ser realizadas pelo e-mail: inscricaomusica@hotmail.com. O investimento é de R$20,00. Mais informações pelos telefones (27)3323-5672 ou (27) 9924-2131

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

DEUS É O NOSSO REFÚGIO

video

DEUS É A NOSSA FORTALEZA

video

DEUS É O NOSSO SOCORRO

video

DEUS É A NOSSA FORTALEZA

video

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Justiça poética - Ester 3.1-11; 7.1-10

“…A mim me pertence a vingança; eu é que retribuirei, diz o Senhor” (Romanos 12.19)Court-Hammer

Durante quase um ano, um ex-colega editor viveu sob a ameaça de demissão. Por razões desconhecidas, um novo chefe do departamento começou a preencher os  arquivos do seu pessoal com comentários negativos. Mas, no dia em que meu amigo esperava perder seu emprego, o novo chefe foi demitido.

Quando os israelitas foram levados cativos à Babilônia, um judeu chamado Mordecai se encontrou nesse tipo de situação. Hamã, o mais engrandecido que estava com o rei Assuero, esperava que todo oficial real se ajoelhasse e o honrasse, mas Mordecai recusou prostrar-se a alguém além de Deus (Ester 3:1-2). Esta atitude ultrajou Hamã, fazendo-o decidir destruir não apenas Mordecai, mas todos os judeus em todo o império Persa (vv.5-6). Hamã convenceu Assuero a assinar um decreto autorizando a destruição de todos os judeus e começou a construir uma forca para a execução de Mordecai (5:14). Mas, numa surpreendente reviravolta dos acontecimentos, Hamã foi executado na forca que construíra para Mordecai, e o povo judeu foi poupado (7:9-10; 8).

Na literatura, isso se chama justiça poética. Nem todos são justiçados de maneira tão dramática, mas a Escritura promete que, um dia, Deus vingará toda a injustiça (Romanos 12:19). Enquanto esperamos, devemos fazer o que pudermos para trabalhar por justiça e devemos deixar os resultados nas mãos de Deus.

Julie Ackerman Link - Our Daily Bread - http://odb.org/

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Seminário de Louvor e Adoração

cartaz seminario musica

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

A confissão é o primeiro passo para vencer o pecado

PRAY“Se dissermos que não temos cometido pecado, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós” (1Jo 1.10)

Muitas vezes, é verdade que a parte mais difícil de lidar com um problema é admitir que você tem um. Começando com Adão e Eva (Gênesis 3.11-13), as pessoas têm negado a responsabilidade por seus pecados, e nossa geração não é exceção. Reconhecer que se é um pecador, culpado por violar a lei de Deus, não é popular. As pessoas chamam de pecado uma miríade de outros nomes, esperando inutilmente defini-lo fora da existência. Eles fazem isso, motivados por sua consciência inata que existe uma lei moral e que há conseqüências para violá-la (Rm 1.32). Mas o povo de Deus sempre reconhece a necessidade da confissão.

Depois de cometer os pecados terríveis de adultério e assassinato, Davi reconheceu a Natã, o profeta: “Pequei contra o Senhor” (2Sm 12.13). Mais tarde, ele clamou a Deus: “Pois eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim. Pequei contra ti, contra ti somente, e fiz o que é mau perante os teus olhos, de maneira que serás tido por justo no teu falar” (Sl 51.3–4).

Daniel era um homem de integridade sem precedentes, mas parte de sua vida de oração envolvia confissão de pecados (Dn 9.20 ). Pedro, o líder reconhecido dos apóstolos, disse a Jesus: “Senhor, retira-te de mim, porque sou pecador”. (Lc 5.8). O apóstolo Paulo, o homem mais piedosos que já viveu (exceto Jesus Cristo), escreveu o seguinte sobre si mesmo: “Fiel é a palavra e digna de toda aceitação: que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores,  dos quais eu sou o principal” (1Tm 1.15).

Os exemplos desses homens piedosos ilustram uma verdade bíblica fundamental: a confissão de pecados constante caracteriza os verdadeiros cristãos (1 João 1.9). Aqueles que pretendem ser fiéis, mas se recusam a confessar seus pecados enganam a si mesmos (1 João 1.8) e fazem de Deus um mentiroso (1 João 1.10).

Sugestões para Orar:

Confesse e abandone seus pecados hoje, e experimente a bem-aventurança do perdão de Deus (Pv 28.13).

From Strength for Today by John MacArthur

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

A perspectiva correta das provações

Nisso exultais, embora, no presente, por breve tempo, se necessário, sejais contristados por várias provações…” (1Pe 1.6)

barroAs provações são temporárias. “Nisso exultais, embora, no presente, por breve tempo...” – As provações não duram a vida inteira, pois eles são “por breve tempo”. Quando Deus permite que Seus filhos passem pelo forno, ele mantém Seus olhos no relógio e Sua mão sobre o termostato. Se nos rebelamos, Ele pode ter que acertar o relógio, mas se nos submetemos, Ele não permitirá que soframos um minuto demasiadamente longo. O importante é que aprendemos a lição Ele quer nos ensinar e que trazemos glória a Ele somente.

Nossas provações presentes, não importa quão grande, são insignificantes em à luz da eternidade. Assim, no meio da nossa dor, nós podemos ter uma grande alegria se vai centrar-se na falta de tempo e a glória eterna que nos espera quando Jesus voltar.

As provações são necessárias. “Nisso exultais, embora, no presente, por breve tempo, se necessário...” – As provações são necessárias para refinar nossa fé. Mas também, Charle Haddon Spurgeon acertadamente escreveu que não só as provações, mas também as afliçções são necessárias. Ele argumenta que Cristo experimentou sofrimento até a morte no jardim. Se um cristão não passar por esses momentos, ele vai crescer orgulhoso, e não será capaz de relacionar-se com os outros que sofrem, e e vai perder as lições que nunca aprendemos de nenhum outro modo. Ele cita Martinho Lutero dizendo que “a aflição é o melhor livro na minha biblioteca”.[1]

Malcolm Muggeridge, que se tornou um cristão antes de sua morte, disse no final de sua vida, “Ao contrário do que se poderia esperar, eu olho para trás nas experiências que no momento pareciam especialmente desoladoras e dolorosas com particular satisfação. Na verdade, tudo o que eu tenho aprendido, que tem realmente melhorado e iluminado minha existência, tem sido através da aflição e não através de felicidade” (Reader’s Digest [1/91], p. 158)

Assim, o objetivo das provações é refinar nossa fé, a perspectiva que precisamos nesse momento é entender que as provações são temporárias, necessária e o melhor de tudo, estão sob controle de Deus.


[1] SPURGEON, Charles Hadsdon. The Christian’s Heaviness and Rejoicing, Sermon’s Sermons [Baker], 5210 - 221).

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Mais puro do que o ouro

Gold_sky_by_renatoartO comentarista bíblico Warren Wiersbe estava certo quando escreveu: “Uma fé que não pode ser testada não pode ser confiável”.[1] Pedro mostra-nos o propósito, a perspectiva necessária e o objetivo das provações.

6 Nisso exultais, embora, no presente, por breve tempo, se necessário, sejais contristados por várias provações,

7 para que, uma vez confirmado o valor da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro perecível, mesmo apurado por fogo,  redunde em louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo;

A. O propósito das provações é refinar a fé.

O Versículo 7 começa com a expressão “Para que” (1.7), ou seja, Pedro vai declarar o objetivo das provações: uma vez confirmado o valor da vossa fé como o ouro, para remover a escória, para que na vinda de Cristo redunde em louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo. A fé é o cerne da vida cristã. Somos salvos pela fé; andamos pela fé. Sem fé é impossível agradar a Deus (Hebreus 11.6).

sábado, 1 de outubro de 2011

O propósito das provações

Ourives05A fé é o cerne da vida cristã. Somos salvos pela fé e andamos pela fé. Sem fé é impossível agradar a Deus (Hebreus 11.6).

“... para que, uma vez confirmado o valor da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro perecível, mesmo apurado por fogo...” – Pedro contrasta o ouro e a fé, segundo ele, a fé é mais preciosa do que ouro, porque o ouro é perecível, mas a fé não. O ouro não vai ganhar o céu, mas a fé em Cristo vai nos levar as regiões celestiais.

As palavras: “confirmado” e “apurado” têm a nuance de testes com vistas à aprovação. Deus não testa a nossa fé para destruí-la, mas para queimar as impurezas e deixar o ouro puro. Ele faz isso nos colocando na fornalha da aflição onde somos forçados a confiar nEle, de forma que jamais o faríamos além das dificuldades.

Nos tempos bíblicos o ouro era o metal mais valorizado, e também era o padrão para todas as transações monetárias.[1] Até hoje, o ouro é muito precioso. O trabalho do ourives era colocar o ouro no fogo e deixá-lo tempo suficiente para remover as impurezas, em seguida derramá-lo e fazer um belo artigo precioso. O ourives do oriente mantinha o ouro no forno até que ele pudesse ver seu rosto refletido nele. De modo semelhante, nosso Senhor nos mantém na fornalha do sofrimento até que a glória e a beleza de Jesus Cristo sejam refletidas em nós.[2] Na parábola do semeador, Jesus disse que a semente que caiu no solo rochoso onde a terra era pouca, logo brotou, mas quando o sol saiu, ele a queimou porque não tinha raiz. Jesus explicou que esta se refere àqueles que primeiro recebem a palavra com alegria, mas quando aflição chega, eles não resistem porque a fé não era genuína (Marcos 4.5-6, 16-17).

A pessoa que abandona “a sua fé” quando as coisas ficam difíceis está apenas provando que ela realmente não tinha fé.[3] Mas a fé genuína vai crescer mais forte através das provações. É encorajador saber que nascemos para a glória, somos mantidos para a glória e preparados para a glória.

Assim, o objetivo das provações é refinar nossa fé.


[1] MacArthur, J. F., Jr. (c1995.). The Power of Suffering (141). Victor Books.

[2] Wiersbe, W. W. (1996). The Bible exposition commentary (1 Pe 1:6). Wheaton, Ill.: Victor Books.

[3] Wiersbe, W. W. (1996). The Bible exposition commentary (1 Pe 1:6). Wheaton, Ill.: Victor Books.

Onde Deus está quando mais precisamos dele?


Há muita confusão entre os cristãos sobre como lidar com o sofrimento. Alguns dizem que se sofremos é por falta de fé e as dificuldades da vida não são de Deus.[1] Assim, devemos reivindicar a cura pela fé e rejeitar todos os pensamentos negativos.

Outros dizem que os cristãos devem enfrentar o sofrimento com um sorriso no rosto. Eles citam versículos bíblicos para os que estão sofrendo como, “Alegrai-vos sempre.... Em tudo dai graças” (1Tessalonicenses 5.16, 18); “Todas as coisas cooperam para o bem...” (Rm 8.28).
Alguns anos atrás eu um funeral de um homem cristão que deixou a mulher e dois filhos, após o culto, o ex-pastor da viúva de forma equivocada e insensível disse: pare de chorar, “louvado seja o Senhor, ele está na glória agora!” O pastor estava negando o sofrimento e a dor daquela família.
Na verdade, nenhuma dessas abordagens é bíblica ou maneiras emocionalmente saudáveis ​​de lidar com o sofrimento. A maneira bíblica não é negar a dor ou sofrimento, mas ao mesmo tempo, é encontrar alegria genuína do Senhor nas provações.