Uma Igreja para você e sua família.

Venha fazer-nos uma visita.

Voocê é muito bem-vindo!

Culto, todos os domingos, às 19horas.

Mensagens de esperança e encorajamento.

Uma palavra de esperança para os momentos mais difíceis da vida.

Nenhum relacionamento sobrevive sem investimento.

Dia 15/06, sábado, às 19h, no cerimonial Castelinho - Bairro República. Investimento: R$ 90,00 (casal) - Informações: 9619-7838.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Curso de Verão 2012

cartaz herois da fé“De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam” (Hebreus 11.6)

Você é o nosso convidado para participar do Curso de Verão 2012, cujo tema será “Heróis da Fé”. Teremos o privilégio de estudar na Escola Dominical a respeito da vida de homens que confiaram em Deus nos momentos mais difíceis. Homens dos quais o mundo não era digno, errantes pelos desertos, pelos montes, pelas covas, pelos antros da terra (Hb 11.38).

Venha estudar a Bíblia conosco. Será um momento de intensa comunhão e edificação. Todos os domingos de janeiro, a partir das 9 horas, na IPB em Tabuazeiro.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Os Cristãos Devem Celebrar o Natal?

1695_2As Escrituras não ordenam especificamente que os crentes celebrem o Natal — não há “Dias Sagrados” prescritos que a igreja deva celebrar. De fato, o Natal não era observado como uma festividade até muito após o período bíblico. Não foi antes de meados do século V que o Natal recebeu  algum reconhecimento oficial.

Nós cremos que celebrar o Natal não é uma questão de certo ou errado, visto que Romanos 14.5-6 nos fornece a liberdade para decidir se observaremos ou não dias especiais:

“Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente convicto em sua própria mente. Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz. E quem come, para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e quem não come, para o Senhor não come, e dá graças a Deus” (Romanos 14.5-6).

De acordo com esses versos, um cristão pode, legitimamente, separar qualquer dia — incluindo o Natal — como um dia para o Senhor. Cremos que o Natal proporciona aos crentes uma grande oportunidade para exaltar Jesus Cristo.

Primeiro, a temporada de Natal nos lembra das grandes verdades da Encarnação. Recordar as verdades importantes sobre Cristo e o evangelho é um tema prevalecente no Novo Testamento (1Coríntios 11.25; 2Pedro 1.12-15; 2Tessalonicenses 2.5). A verdade necessita de repetição, pois nós facilmente a esquecemos. Assim, devemos celebrar o Natal para recordar o nascimento de Cristo e nos maravilhar ante o mistério da Encarnação.

O Natal também pode ser um tempo para adoração reverente. Os pastores glorificaram e louvaram a Deus pelo nascimento de Jesus, o Messias. Eles se regozijaram quando os anjos proclamaram que em Belém havia nascido um Salvador, Cristo o Senhor (Lucas 2.11). O bebê deitado na manjedoura naquele dia é nosso Senhor, o “Senhor dos senhores e Rei dos reis” (Mateus 1.21; Apocalipse 17.14).

Finalmente, as pessoas tendem a serem mais abertas ao evangelho durante as festividades de Natal. Devemos aproveitar desta abertura para testemunhar a eles da graça salvadora de Deus, através de Jesus Cristo. O Natal é principalmente sobre o Messias prometido, que veio para salvar Seu povo dos seus pecados (Mateus 1.21). A festividade nos fornece uma maravilhosa oportunidade para compartilhar esta verdade.

Embora nossa sociedade tenha deturpado a mensagem do Natal através do consumismo, dos mitos e das tradições vazias, não devemos deixar que estas coisas nos atrapalhem de apreciar o real significado do Natal. Aproveitemo-nos desta oportunidade para lembrar dEle, adorá-Lo e fielmente testemunhar dEle.

 

 John MacArthur

in: http://www.gty.org/resources/Questions/QA74/Should-Christians-celebrate-Christmas

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Fogo Amigo

Identity-Theft-FingerprintAlcançamos no dia 31de outubro de 2011, o número de sete bilhões de habitantes na Terra, dad os fornecidos pelo Fundo de População da ONU (UNFPA). Este é um dado que traz a todos os governos do mundo grande preocupação. Os denominados cristãos, também é proporcionalmente, uma multidão. Em particular, a pesquisa brasileira, via (IBGE), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Dá conta de que o crescimento dos evangélicos no Brasil disparou. Essa realidade tem gerado grande empenho das lideranças verdadeiramente comprometidas com a Igreja, em dar identidade clara, ante o país, da Igreja fiel aos ensinamentos dos Apóstolos. Portanto, nossa Igreja local, a IPB Tabuazeiro tem que estar alerta. Se nossa Identidade for clara, nosso serviço ao Reino for sem improvisos, se aguçarmos nossos Dons, então, a declaração de princípios que é a cada Domingo postado no rodapé do nosso boletim – “Queremos ser uma Igreja acolhedora, discipuladora e missionária, formada por pessoas que amam a Deus acima de tudo e ao próximo como a si mesmas” –, Será então, essa, de verdade a nossa identidade. O grande “avivamento” brasileiro, precisa ter endereços claros.
Evoco o Evangelho de Lucas, em cinco oportunidades para nossa reflexão. Gostaria de trazer ao centro da nossa atenção, apenas a “moldura” que é a mesma em cada uma das cinco preciosas passagens, com ênfase por mim acrescentada.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Ações e resultados - Romanos 5:12-19

…pela ofensa de um só, morreram muitos, […] o dom pela graça de um só […], foram abundantes sobre muitos. —Romanos 5:15




No dia 24 de novembro de 1971, um homem hoje conhecido como D. B. Cooper sequestrou um avião comercial nos EUA ameaçando explodir o avião a menos que recebesse 200 mil dólares. Após pousar para receber o valor do resgate, ordenou que o avião decolasse novamente. Em seguida, a escada traseira do Boeing 727 foi abaixada e ele saltou de paraquedas na escuridão da noite. Ele nunca foi capturado e o caso ainda não foi resolvido. Este ato apressou a era da segurança aeroportuária, na qual a confiança foi substituída por suspeita e medo. O que ele fez afetou-nos indiscriminadamente.

A Bíblia descreve duas ações que transformaram o mundo de maneira muito mais significativa. Através da escolha de Adão, o pecado e a morte adentraram o mundo: “…assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram” (Romanos 5:12). Mas, através do sacrifício de Cristo na cruz, Deus proporcionou um remédio para o resultado do pecado. “Pois assim como, por uma só ofensa [de Adão], veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também, por um só ato de justiça [de Cristo], veio a graça sobre todos os homens para a justificação que dá vida” (v.18).
Cristo fez o que ninguém mais podia fazer quando quebrou o poder do pecado e da morte por Sua ressurreição. Ele oferece perdão e vida eterna a todos os que aceitarem o Seu presente. E, por isso, nós lhe agradecemos de todo coração.
A cruz de Cristo pode livrar as almas da condenação que resultou da escolha de Adão.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Jesus espera que você não desista


Um dia desses fiquei aturdido, quase fui a “nocaute” com a reação abrupta e hostil a um questionamento que fiz quanto ao procedimento de um amigo –, não de muito tempo, mas íntimo. Eu o visitava e estávamos confortáveis na sala de estar da casa dele. Há certa altura da conversa, contrapus-me a ele e ao que argumentava, citando a Bíblia como minha referência ao assunto em questão. Não podia crer na enxurrada de blasfêmias que ouvi contra a Bíblia, o evangelho, às religiões, contra os clérigos e principalmente contra pastores. Ele falava sem me dar condições de aparte.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011


Nos dias 4, 5 e 6 de Novembro de 2011, realizamos nosso primeiro Seminário de Louvor e Adoração para o Louvor de Sua Glória. Foram momentos maravilhosos e memoráveis. Na sexta-feira, tivemos uma maravilhosa oficina de Canto Coral com Hélio Júnior. Foi divertido e edificante ao mesmo tempo. A turma toda amou. 











No sábado, de manhã, tivemos apresentação musical. Tiago Cursino,  tocou-nos com arranjos muito harmoniosos relembrando hinos clássicos. Carol e Rony fizeram um lindo dueto e dirigiram cânticos congregacionais. Fabrício Silva encantou a galerinha da oficina de Violão I, para iniciantes. Ninguém queria ir embora. Já Reynaldo Martins, emocionou o pessoal da oficina de bateria, que o segurou de 10h até 13h. Foi difícil despachar o pessoal para voltar à tarde. À tarde, Fabrício Silva trouxe seu aluno de 11 anos, Pedro, que deixou todo mundo de queixo caído, na oficina de Violão II (intermediário e avançado). Foi muito enriquecedor. No sábado, à noite, Rony e banda dirigiram os louvores na congregação. Cantaram e tocaram como anjos. Foi arrebatador. Depois do louvor, Zé Gospi, ou melhor, presbítero Renilton Tavares, trouxe-nos o recado da parte de Deus. Nos arrancou boas risadas, nos fez sorrir muito; mas, depois, nos fez refletir acerca de nossa vida e de nosso ministério. Uma bênção! 











No domingo de manhã, foi a vez do Projeto Fazendo Música mostrar o seu talento. Apresentou um  recital. As crianças cantaram e tocaram. Glória a Deus! Nosso irmão Júlio Costa, violonista e diretor de Música, trouxe uma palavra sobre música na igreja. À tarde, tivemos oficina de teclado com Stéfano de Moraes, desfrutamos de momentos bastante agradáveis. Excelente também, foi a oficina de guitarra, mais uma vez, Fabrício Silva, que é muito talentoso, lecionou com muita habilidade e carinho. À noite, o Pb. Wesley edificou-nos com a mensagem da parte de Deus, sobre o louvor que nos conduz à vitória. 

Louvamos a Deus por todos que nos proporcionaram essa experiência, por todos que participaram, por todos que contribuiram direta ou indiretamente. A Deus seja toda a glória!
Evangelista Flávia Gardioli




segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Para quando você atravessar a linha


O Novo Testamento nos fala de Galardão (recompensa), e que tem como subtítulo “Coroa”. Aprendemos que estão à disposição dos crentes em Jesus Cristo cinco dessas coroas. Elas, provavelmente serão entregues no Tribunal de Cristo conforme Paulo em 2ª Co 5:10. “Porque importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo”. Coroa é símbolo de reinado, e serão dadas com base no Serviço fiel. Como veremos a seguir todos os que forem resgatados por Jesus receberá no mínimo uma coroa. Muitos receberão mais que uma, creio que até mesmo as cinco.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Puxando as brasas para minha sardinha - Capítulo 1 e 2

Capítulo 1

No dia trinta de setembro pela manhã estive em uma clínica oftalmológica. Visita de rotina. Enquanto aguardava ser atendido, chamou-me a atenção a dificuldade que um idoso, que acompanhado da sua esposa, tiveram para responder às perguntas da atendente. O idoso indagava à atendente, cada vez mais alto, e a atendente teimosamente – não entendi por que –, falava mais baixo ainda. A antessala era pequena e chamou a atenção de todos que aguardavam a vez de serem chamadas. Fiquei bastante incomodado com o ocorrido. Com todos os meus sentidos mais aguçados, passei minha atenção, menos na atuação despreparada da funcionária e me foquei no casal de idosos: Eles estavam sós. Eles não podem ter vindo até aqui sozinhos – pensei –, alguém os deixaram à porta. Depois do “embate” com a atendente, uma segunda funcionária veio chamá-los, e lá se foram: A jovem à frente a passos largos teve que por várias vezes parar e esperar o caminhar lento do casal. O idoso um pouco mais forte emprestava carinhoso seu braço e o tempo que sua companheira necessitava para, arrastando os chinelos, vencerem a distância que os separavam da apressada guia –. Posso imaginar –, que aquele casal se dava um ao outro, como única âncora que lhe sobrara nesta vida. Aquela cena, do curvado casal chegando ao fim do corredor, se prestava ao epílogo de alguma obra literária barata e corriqueira e anunciaria “um fim a dois” não muito mais distante. Onde estariam quem os trouxeram aqui? Voltei meus sentidos novamente para a sala de espera, vi que como eu, a maioria dos que esperavam era de idosos e idosas, felizmente nem todos estavam desacompanhados.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Seminário de Louvor e Adoração

cartaz seminario musica

 A Igreja Presbiteriana em Tabuazeiro, em Vitória, no Espírito Santo, realiza nos dias 4, 5 e 6 de novembro de 2011 o Seminário de Louvor e Adoração, com o tema “Para Louvor de Sua Glória”.

O seminário contará com a participação de músicos cristãos que são referência na região, com oficinas que abordarão questões práticas de instrumento e canto.

As vagas são limitadas e as inscrições podem ser realizadas pelo e-mail: inscricaomusica@hotmail.com. O investimento é de R$20,00. Mais informações pelos telefones (27)3323-5672 ou (27) 9924-2131

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

DEUS É O NOSSO REFÚGIO

video

DEUS É A NOSSA FORTALEZA

video

DEUS É O NOSSO SOCORRO

video

DEUS É A NOSSA FORTALEZA

video

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Justiça poética - Ester 3.1-11; 7.1-10

“…A mim me pertence a vingança; eu é que retribuirei, diz o Senhor” (Romanos 12.19)Court-Hammer

Durante quase um ano, um ex-colega editor viveu sob a ameaça de demissão. Por razões desconhecidas, um novo chefe do departamento começou a preencher os  arquivos do seu pessoal com comentários negativos. Mas, no dia em que meu amigo esperava perder seu emprego, o novo chefe foi demitido.

Quando os israelitas foram levados cativos à Babilônia, um judeu chamado Mordecai se encontrou nesse tipo de situação. Hamã, o mais engrandecido que estava com o rei Assuero, esperava que todo oficial real se ajoelhasse e o honrasse, mas Mordecai recusou prostrar-se a alguém além de Deus (Ester 3:1-2). Esta atitude ultrajou Hamã, fazendo-o decidir destruir não apenas Mordecai, mas todos os judeus em todo o império Persa (vv.5-6). Hamã convenceu Assuero a assinar um decreto autorizando a destruição de todos os judeus e começou a construir uma forca para a execução de Mordecai (5:14). Mas, numa surpreendente reviravolta dos acontecimentos, Hamã foi executado na forca que construíra para Mordecai, e o povo judeu foi poupado (7:9-10; 8).

Na literatura, isso se chama justiça poética. Nem todos são justiçados de maneira tão dramática, mas a Escritura promete que, um dia, Deus vingará toda a injustiça (Romanos 12:19). Enquanto esperamos, devemos fazer o que pudermos para trabalhar por justiça e devemos deixar os resultados nas mãos de Deus.

Julie Ackerman Link - Our Daily Bread - http://odb.org/

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Seminário de Louvor e Adoração

cartaz seminario musica

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

A confissão é o primeiro passo para vencer o pecado

PRAY“Se dissermos que não temos cometido pecado, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós” (1Jo 1.10)

Muitas vezes, é verdade que a parte mais difícil de lidar com um problema é admitir que você tem um. Começando com Adão e Eva (Gênesis 3.11-13), as pessoas têm negado a responsabilidade por seus pecados, e nossa geração não é exceção. Reconhecer que se é um pecador, culpado por violar a lei de Deus, não é popular. As pessoas chamam de pecado uma miríade de outros nomes, esperando inutilmente defini-lo fora da existência. Eles fazem isso, motivados por sua consciência inata que existe uma lei moral e que há conseqüências para violá-la (Rm 1.32). Mas o povo de Deus sempre reconhece a necessidade da confissão.

Depois de cometer os pecados terríveis de adultério e assassinato, Davi reconheceu a Natã, o profeta: “Pequei contra o Senhor” (2Sm 12.13). Mais tarde, ele clamou a Deus: “Pois eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim. Pequei contra ti, contra ti somente, e fiz o que é mau perante os teus olhos, de maneira que serás tido por justo no teu falar” (Sl 51.3–4).

Daniel era um homem de integridade sem precedentes, mas parte de sua vida de oração envolvia confissão de pecados (Dn 9.20 ). Pedro, o líder reconhecido dos apóstolos, disse a Jesus: “Senhor, retira-te de mim, porque sou pecador”. (Lc 5.8). O apóstolo Paulo, o homem mais piedosos que já viveu (exceto Jesus Cristo), escreveu o seguinte sobre si mesmo: “Fiel é a palavra e digna de toda aceitação: que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores,  dos quais eu sou o principal” (1Tm 1.15).

Os exemplos desses homens piedosos ilustram uma verdade bíblica fundamental: a confissão de pecados constante caracteriza os verdadeiros cristãos (1 João 1.9). Aqueles que pretendem ser fiéis, mas se recusam a confessar seus pecados enganam a si mesmos (1 João 1.8) e fazem de Deus um mentiroso (1 João 1.10).

Sugestões para Orar:

Confesse e abandone seus pecados hoje, e experimente a bem-aventurança do perdão de Deus (Pv 28.13).

From Strength for Today by John MacArthur

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

A perspectiva correta das provações

Nisso exultais, embora, no presente, por breve tempo, se necessário, sejais contristados por várias provações…” (1Pe 1.6)

barroAs provações são temporárias. “Nisso exultais, embora, no presente, por breve tempo...” – As provações não duram a vida inteira, pois eles são “por breve tempo”. Quando Deus permite que Seus filhos passem pelo forno, ele mantém Seus olhos no relógio e Sua mão sobre o termostato. Se nos rebelamos, Ele pode ter que acertar o relógio, mas se nos submetemos, Ele não permitirá que soframos um minuto demasiadamente longo. O importante é que aprendemos a lição Ele quer nos ensinar e que trazemos glória a Ele somente.

Nossas provações presentes, não importa quão grande, são insignificantes em à luz da eternidade. Assim, no meio da nossa dor, nós podemos ter uma grande alegria se vai centrar-se na falta de tempo e a glória eterna que nos espera quando Jesus voltar.

As provações são necessárias. “Nisso exultais, embora, no presente, por breve tempo, se necessário...” – As provações são necessárias para refinar nossa fé. Mas também, Charle Haddon Spurgeon acertadamente escreveu que não só as provações, mas também as afliçções são necessárias. Ele argumenta que Cristo experimentou sofrimento até a morte no jardim. Se um cristão não passar por esses momentos, ele vai crescer orgulhoso, e não será capaz de relacionar-se com os outros que sofrem, e e vai perder as lições que nunca aprendemos de nenhum outro modo. Ele cita Martinho Lutero dizendo que “a aflição é o melhor livro na minha biblioteca”.[1]

Malcolm Muggeridge, que se tornou um cristão antes de sua morte, disse no final de sua vida, “Ao contrário do que se poderia esperar, eu olho para trás nas experiências que no momento pareciam especialmente desoladoras e dolorosas com particular satisfação. Na verdade, tudo o que eu tenho aprendido, que tem realmente melhorado e iluminado minha existência, tem sido através da aflição e não através de felicidade” (Reader’s Digest [1/91], p. 158)

Assim, o objetivo das provações é refinar nossa fé, a perspectiva que precisamos nesse momento é entender que as provações são temporárias, necessária e o melhor de tudo, estão sob controle de Deus.


[1] SPURGEON, Charles Hadsdon. The Christian’s Heaviness and Rejoicing, Sermon’s Sermons [Baker], 5210 - 221).

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Mais puro do que o ouro

Gold_sky_by_renatoartO comentarista bíblico Warren Wiersbe estava certo quando escreveu: “Uma fé que não pode ser testada não pode ser confiável”.[1] Pedro mostra-nos o propósito, a perspectiva necessária e o objetivo das provações.

6 Nisso exultais, embora, no presente, por breve tempo, se necessário, sejais contristados por várias provações,

7 para que, uma vez confirmado o valor da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro perecível, mesmo apurado por fogo,  redunde em louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo;

A. O propósito das provações é refinar a fé.

O Versículo 7 começa com a expressão “Para que” (1.7), ou seja, Pedro vai declarar o objetivo das provações: uma vez confirmado o valor da vossa fé como o ouro, para remover a escória, para que na vinda de Cristo redunde em louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo. A fé é o cerne da vida cristã. Somos salvos pela fé; andamos pela fé. Sem fé é impossível agradar a Deus (Hebreus 11.6).

sábado, 1 de outubro de 2011

O propósito das provações

Ourives05A fé é o cerne da vida cristã. Somos salvos pela fé e andamos pela fé. Sem fé é impossível agradar a Deus (Hebreus 11.6).

“... para que, uma vez confirmado o valor da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro perecível, mesmo apurado por fogo...” – Pedro contrasta o ouro e a fé, segundo ele, a fé é mais preciosa do que ouro, porque o ouro é perecível, mas a fé não. O ouro não vai ganhar o céu, mas a fé em Cristo vai nos levar as regiões celestiais.

As palavras: “confirmado” e “apurado” têm a nuance de testes com vistas à aprovação. Deus não testa a nossa fé para destruí-la, mas para queimar as impurezas e deixar o ouro puro. Ele faz isso nos colocando na fornalha da aflição onde somos forçados a confiar nEle, de forma que jamais o faríamos além das dificuldades.

Nos tempos bíblicos o ouro era o metal mais valorizado, e também era o padrão para todas as transações monetárias.[1] Até hoje, o ouro é muito precioso. O trabalho do ourives era colocar o ouro no fogo e deixá-lo tempo suficiente para remover as impurezas, em seguida derramá-lo e fazer um belo artigo precioso. O ourives do oriente mantinha o ouro no forno até que ele pudesse ver seu rosto refletido nele. De modo semelhante, nosso Senhor nos mantém na fornalha do sofrimento até que a glória e a beleza de Jesus Cristo sejam refletidas em nós.[2] Na parábola do semeador, Jesus disse que a semente que caiu no solo rochoso onde a terra era pouca, logo brotou, mas quando o sol saiu, ele a queimou porque não tinha raiz. Jesus explicou que esta se refere àqueles que primeiro recebem a palavra com alegria, mas quando aflição chega, eles não resistem porque a fé não era genuína (Marcos 4.5-6, 16-17).

A pessoa que abandona “a sua fé” quando as coisas ficam difíceis está apenas provando que ela realmente não tinha fé.[3] Mas a fé genuína vai crescer mais forte através das provações. É encorajador saber que nascemos para a glória, somos mantidos para a glória e preparados para a glória.

Assim, o objetivo das provações é refinar nossa fé.


[1] MacArthur, J. F., Jr. (c1995.). The Power of Suffering (141). Victor Books.

[2] Wiersbe, W. W. (1996). The Bible exposition commentary (1 Pe 1:6). Wheaton, Ill.: Victor Books.

[3] Wiersbe, W. W. (1996). The Bible exposition commentary (1 Pe 1:6). Wheaton, Ill.: Victor Books.

Onde Deus está quando mais precisamos dele?


Há muita confusão entre os cristãos sobre como lidar com o sofrimento. Alguns dizem que se sofremos é por falta de fé e as dificuldades da vida não são de Deus.[1] Assim, devemos reivindicar a cura pela fé e rejeitar todos os pensamentos negativos.

Outros dizem que os cristãos devem enfrentar o sofrimento com um sorriso no rosto. Eles citam versículos bíblicos para os que estão sofrendo como, “Alegrai-vos sempre.... Em tudo dai graças” (1Tessalonicenses 5.16, 18); “Todas as coisas cooperam para o bem...” (Rm 8.28).
Alguns anos atrás eu um funeral de um homem cristão que deixou a mulher e dois filhos, após o culto, o ex-pastor da viúva de forma equivocada e insensível disse: pare de chorar, “louvado seja o Senhor, ele está na glória agora!” O pastor estava negando o sofrimento e a dor daquela família.
Na verdade, nenhuma dessas abordagens é bíblica ou maneiras emocionalmente saudáveis ​​de lidar com o sofrimento. A maneira bíblica não é negar a dor ou sofrimento, mas ao mesmo tempo, é encontrar alegria genuína do Senhor nas provações.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

A importância do perdão


Quando analisamos a Palavra de Deus encontramos muitos ensinos e mandamentos sobre a necessidade de ministrar o perdão. Em seu livro Forgive and Again Love, John Thompson e Thomas Nieder (pp. 62-63), apontam que a Bíblia usa pelo menos 75 imagens diferentes da palavra perdão. Aqui estão algumas delas:
¡  Perdoar é abrir a porta da prisão e deixar o preso sair. Essa é uma metáfora.
¡  Perdoar é escrever em letras grandes: “não há dívida”.
¡  Perdoar é bater o martelo em um tribunal e declarar: “Inocente!”
¡  Perdoar é atirar uma flecha tão alto e tão longe que nunca pode ser encontrada novamente.
¡  Perdoar é retirar o lixo e eliminá-lo de uma vez por todas, e deixar a casa limpa e fresca.
¡  Perdoar é soltar a âncora do navio e ficar livre para navegar.
Essas são apenas algumas das figuras que a Bíblia utiliza quando aborda sobre o perdão. O perdão é uma maravilhosa virtude, uma atitude libertadora de amor. É saudável. Traz paz. Perdoar é o ato mais nobre de um homem. A glória de um homem é a sua capacidade de perdoar e esquecer uma transgressão (Pb 19.11).
Querido leitor, nenhum relacionamento pode sobreviver à falta de perdão. Se você não perdoar continuamente, vai acumular amargura capaz de destruir todo e qualquer tipo de relacionamento.
Existem algumas razões bíblicas, alguns motivos imperiosos para se ministrar o perdão. São lições preciosas para o nosso relacionamento. Vejamos:

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Confiança em Deus na adversidade


Todos nós enfrentamos provações e situações que nos levam a acreditar que a esperança não existe. Muitas vezes achamos até que Deus não existe. Logo, a grande questão é: o que você faz quando a vida desaba sobre a sua cabeça? O que você faz quando a vida desmorona? Davi quando se sentiu assim, escreveu um Salmo!

1 Senhor, como tem crescido o número dos meus adversários! São numerosos os que se levantam contra mim. 2 São muitos os que dizem de mim: Não há em Deus salvação para ele.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Quê e como fazes tu?

Ventilou-se em nossa igreja o título de um livro que foi bem difundido, num passado bem próximo, em todo o território nacional, assim como também internacionalmente, com o título; “Em seus passos o que faria Jesus?”.
Assim, dentro deste contexto e reafirmando a temática, passo a incomodar-vos, no que somos e por que somos? – Crentes! Se crermos então, temos fé; em algo ou em Alguém! E por que temos fé, que cremos! Mas só isso nos basta? Claramente e evidentemente que a resposta deverá ser mais contundente e expressiva, visto a vastidão da importância deste contexto. Sou crente e tenho Fé!

terça-feira, 30 de agosto de 2011

A alegria de servir ao Senhor


Foi contagiante a alegria vivida pela nossa igreja nos dias 27 e 28 do mês de agosto, quando aconteceu a nossa primeira feira missionária. Um sucesso! Como é bom ver alegria na igreja, ver uma quantidade considerável de irmãos e principalmente de irmãs cada qual buscando superarem-se servindo ao Reino. No culto do Sábado, e em particular no do Domingo. Igreja lotada, cadeiras extras, Diáconos com suor nas testas e dentes a mostra, que bom! E a cantata... Primorosa! A cada momento surpreendia a congregação, não houve improvisos, as crianças em momento algum titubearam nos textos, estiveram afinadas e afiadas! E as professoras e coordenadoras do grupo? Pouco eram vistas, pois regiam de maneira “profissional” verdadeiras mestras de cerimônias abdicando dos louros para dar crédito aos seus comandados, parabéns servas, vocês foram notadas no céu, na Igreja, e principalmente ofereceram um banquete aos muitos convidados e visitantes que estiveram nestes dois dias em volta das mesas; literalmente no templo se alimentaram da palavra proferida pelo nosso Jocarli – Tg 1.12 – e, no salão de festas junto conosco se fartaram de receitas bem feitas, onde a variedade de pratos típicos de países por vezes totalmente, por alguns de nós, desconhecidos, nos fizeram comer além do que as “dietas” recomendam. Ah! Dois dias só não faz mal “Né”? Mas com certeza posso afirmar: Missões terão outro significado para muitos.


sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Venha estudar a Bíblia conosco.


Na cidade de Londres encontra-se uma enorme roda gigante às margens do rio Tâmisa – a London Eye. Ela possui 135 metros de altura e possui 32 cabines que comportam 20 pessoas. A London Eye também conhecida como Millennium Wheel (Roda do Milênio) é uma roda-gigante de observação. Ela leva meia hora para girar em um círculo completo. A partir da London Eye é possível ter uma visão panorâmica e maravilhosa de todo centro de Londres, seus prédios históricos, palácios, catedrais, abadias, arranha-céus, seus parques e jardins. Sem dúvida, é um belíssimo passeio.
É assim que a carta aos Efésios está em relação a outras cartas de Paulo. Ela é muito menor do que as cartas aos Romanos e Coríntios, mas ela nos dá uma visão maravilhosa das conquistas gloriosas de Deus em Cristo Jesus. Como alguém que conhece bem Londres tem o prazer de ver a cidade em novos ângulos a partir da London Eye e observa como tudo se harmoniza e se relaciona, assim quando lemos Efésios aprendemos como Deus realizou a redenção da igreja e organizou sua rica complexidade de tal forma que toda a glória foi dada ao Seu Filho Jesus Cristo.

Venha estudar a Bíblia conosco. Todas as quartas-feiras, a partir das 19h30min, na Igreja Presbiteriana em Tabuazeiro.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Qual o valor da oração para você? por Jocarli Junior


John Henry Jowett tinha um lugar especial para orar. No caso desse príncipe dos pregadores, era uma sala no andar superior de sua casa. No local, havia duas cadeiras, uma delas estava sempre vazia. Sobre a mesa, não havia nada a não ser uma Bíblia. Jowett se sentava numa das cadeiras, lia a Palavra e conversava com o Senhor. Diz-se que ele passava horas com o Mestre em profunda e doce comunhão.

domingo, 21 de agosto de 2011

“COCEIRA NOS OUVIDOS” por Rômulo de Oliveira


“Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos;” (2Tm 4.3 Ênfase acrescentada). Como é bom termos a certeza de que estamos participando de uma Igreja – local –, onde podemos aprender à cerca da Palavra de Deus da forma que o próprio Senhor nos instrui. Vermos a Bíblia como “única regra de fé e prática” nos afasta das heresias. Heresias cada vez mais, parecida com a verdade. Pois alguns buscam na própria Palavra, exegese completamente fora de contesto com alvos e objetivos tão variados que não cabe neste escrito criticarmos.

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

AEI - Alfabetização através da Bíblia


Em 2008 fiquei estarrecido ao visitar uma família e descobrir que mãe e filha nunca tinham lido o Salmo 23. Elas declararam que não sabiam ler e nunca tinha ouvido falar do Salmo 23. Confesso que saí daquela casa, quebrado e compadecido.

Essa é a triste realidade de algumas pessoas que visitam nossa igreja, por isso, vamos realizar no próximo mês, o treinamento para voluntários que desejam alfabetizar através da Bíblia.

O treinamento é gratuito e ocorrerá entre os dias 5 a 7 de agosto na IPB em Tabuazeiro. O curso será ministrado por professores da Ação Social Presbiteriana Américo Cardoso de Menezes – BH. Um projeto da Primeira Igreja Presbiteriana em Belo Horizonte. Esse treinamento é uma ferramenta poderosa a serviço das Igrejas na alfabetização e evangelização.

Seja um voluntário e torne-se um embaixador de Cristo para aqueles que ainda não sabem ler (2Co 5.20).

Pastor Jocarli

Ainda dá tempo de Participar.
Para maiores informações entre em contato conosco:
27 3323-5672 ou pelo e-mail: jocarlijr@hotmail.com

sábado, 30 de julho de 2011

A Alegria de Viver em Comunhão com Cristo


“... a quem, não havendo visto, amais; no qual, não vendo agora, mas crendo, exultais com alegria indizível e cheia de glória” (1Pe 1.8)

Os destinatários da primeira epístola de Pedro, assim como nós, nunca tinham visto a Cristo, mas eles desfrutavam de comunhão com o Supremo Pastor da mesma forma que nós. E a comunhão deles com Cristo era genuína porque era marcada pelo amor, confiança e obediência.

“... a quem, não havendo visto, amais...” – O amor mencionado por Pedro não é um emocionalismo superficial ou sentimentalismo. É o amor da vontade - o amor da escolha. Seus leitores tinham escolhido amar a Cristo apesar de nunca O terem visto fisicamente. Tal amor é marcado pela obediência, como Jesus afirma em João 14: “Se me amais, guardareis os meus mandamentos Quem não me ama não guarda as minhas palavras....” (v. 15, 24). Para ter comunhão com Cristo é necessário amá-lo e obedecê-lo.

“... no qual, não vendo agora, mas crendo...” – Outro elemento da comunhão é a confiança. Depois de ouvir relatos sobre a ressurreição de Cristo, o discípulo Tomé declarou que ele iria confiar em Jesus somente depois de vê-lo tocá-lo. Jesus honrou a sua vontade, dizendo: “E logo disse a Tomé: Põe aqui o dedo e vê as minhas mãos; chega também a mão e põe-na no meu lado; não sejas incrédulo, mas crente” (Jo 20.27). Mas, então, Jesus disse: “... Porque me viste, creste? Bem-aventurados os que não viram e creram” (v. 29).

“... exultais com alegria indizível e cheia de glória” – Esta alegria é mais do que transitória, é inefável e cheia de glória. Não podemos expressá-la em palavras nem mesmo transmiti-la. Esta alegria não vem da abundância de bens materiais, pois ela não é passageira, mas cheia de glória. A alegria indizível vem da habitação do Espírito Santo em nossos corações e vidas. Alegria verdadeira não pode ser artificial ou fabricada. Ela é obra do Espírito em um coração quebrantado.

Desfrutar da comunhão com Cristo é um dos privilégios supremos da vida cristã. Mesmo que enfrentemos os vales mais escuros, podemos ter a certeza da presença de Deus. Ele nunca prometeu ausência de provações, mas sempre prometeu estar com seus filhos em meio às dificuldades (Hb 13.5b). Jesus é o Senhor da sua vida?

Um poema de um autor desconhecido descreve muito bem a promessa da fidelidade e da alegria indizível de Deus na vida daqueles que O seguem e obedecem aos seus mandamentos:

Deus não prometeu
Céu sempre azul, e
Caminhos floridos
Sempre para você.

Deus não prometeu
Sol sem chuva,
Alegria sem tristeza,
Paz sem dor.

Mas Ele prometeu
Força do alto,
Compaixão infalível,
E amor eterno.

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Estudos no Livro de Apocalipse

Após nove meses e um total de quarenta estudos, conseguimos concretizar a exposição do livro de Apocalipse. Graças ao Bom Deus!
O último livro da Bíblia é um dos mais temíveis. O título grego deste livro é Apokalypsis (aquilo que está sendo descoberto). Na verdade, o livro não parece concretizar o que seu título promete, confundindo seus leitores com todas as imagens, figuras e números que ali encontram. 
Os pastores geralmente só pregam a série de cartas escritas às sete igrejas existentes na Ásia Menor, registradas nos capítulos dois e três. Tristemente, as pessoas consideram o livro como sendo Escritura, porém deixam de fazer uso dele como tal. Nenhum expositor pode privar os crentes das bênçãos que o livro promete para aqueles que diligentemente o lêem (1.3; 22.7).
Clique no link ao lado e boa leitura! Aproveite também para fazer download.

Rev. Jocarli A. G. Junior

segunda-feira, 25 de julho de 2011

A Importância do Perdão na Família


Qual é a virtude mais importante em qualquer relacionamento? Qual é o ingrediente essencial em um casamento ou capaz de manter uma família unida? Perdão!
Não importa com quem você esteja casado, um dia você colherá ofensas. Um dia você, certamente, será mal interpretado. Não obstante, um dia você vai ofender alguém. Esta é a mais pura verdade em qualquer tipo de relacionamento, pois somos criaturas pecadoras, somos criaturas caídas.
Em Provérbios 19.11 diz que a glória de um homem está em esquecer uma transgressão.
“A pessoa sensata controla o seu gênio, e a sua grandeza é perdoar quem a ofende”.

São Favas Contadas


No culto do último domingo participei mais uma vez com os Irmãos da minha Igreja, da ceia do Senhor. Antes ainda do tríplice Amém, e de o sabor do pão e do vinho ter se dissipado da minha boca. Quando ainda sentia o coração vibrando de prazer por fazer parte de um Corpo maior, comprometido e prometido, lembrado naquela solene cerimônia: Ele virá nos buscar! Antes também dos abraços, dos apertos de mãos, dos sorrisos e dos cumprimentos à porta do Templo. Dei uma última olhada para mesa ainda posta e constatei: Sobrou Pão, sobrou Vinho. Que tristeza ver a mesa farta do Senhor, ver sobras do banquete, me sentir plenamente saciado, enquanto tantos têm fome e eu, mesmo os vendo, não os trouxe comigo para comer do mesmo pão que me sustenta.

sábado, 23 de julho de 2011

O acento do vovô e da vovó


“O vovô e a vovó,
Não gostam de confusão.
Pedem para seus netinhos,
Prestarem muita atenção.
Vovô se escreve de um jeito,
Que vovó não escreve não,
O vovô leva chapéu.
A vovó leva grampinho.
Pois acento circunflexo,
É igual a um chapeuzinho.
Na vovó o acento agudo,
Deixa tudo bem certinho!”

Tárcio Costa

26 de julho, dia dos avós.

Contribuição do Projeto Viver Melhor

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Igrejas Missionais ou Hedonismo Religioso?

Jonathan Edwards escreveu: “A importância primordial do pastor é ser um pregador expositivo”.[1] No entanto, observa-se uma grande confusão nas igrejas “emergentes” a respeito da pregação bíblica. A pregação expositiva tem sido sufocada pelo travesseiro do pragmatismo! Lamentavelmente, a pressão por resultados tem levado muitos ministros a sacrificarem a centralidade da pregação bíblica sobre o altar centrado no homem do pragmatismo.[2]
No livro “Como preparar mensagens para transformar vidas” do Pastor Batista Carlito Paes é possível encontrar essa mudança de foco. Paes relata sua caminhada durante nove anos como “pregador e pastor consagrado” e sua fidelidade a pregação expositiva. Mas, um belo dia, ao encontrar-se com um amigo na cidade de Guarapari - Espírito Santo, segundo ele, “Deus lhe concedeu uma nova visão” ao ponto de transformar a sua vida.
Paes atribui a sua nova perspectiva da exposição bíblica em decorrência de um seminário que, por indicação de um amigo, conheceu e participou na igreja de Saddleback, Califórnia, ministrado pelo pastor Rick Warren. Segundo ele, foram apenas quatro dias; mas o suficiente para mudar o seu ministério de pregação.
O seu livro, na realidade, nada mais é do que uma cópia resumida dos princípios desenvolvidos pelo Pastor Rick Warren em “Uma Igreja com Propósitos” e boa parte foi extraída da apostila do seminário “How to Communicate to Change Lives Teaching and Preaching that Make a Difference”, da Saddleback Church.
Mas, como você provavelmente já ouviu, “uma meia-verdade disfarçada de toda a verdade se torna uma mentira completa”.[3]